Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

lavoura

Este blog é um espaço de debate e partilha de opiniões. Não te esqueças que o sustento do Homem provém da lavoura. Lança a semente, cultiva-a, ela te saciará...

lavoura

Este blog é um espaço de debate e partilha de opiniões. Não te esqueças que o sustento do Homem provém da lavoura. Lança a semente, cultiva-a, ela te saciará...

08.04.10

Viana, "Princesa do Lima"

Manuel Alberto Pereira

Como é habitual, aproveitei as curtas "férias" da Páscoa para visitar Viana do Castelo, onde tenho familiares.

É uma cidade simpática e que, há pouco mais de 20 anos, apesar da sua localização junto ao litoral estava muito isolada e parecia mesmo "fechada" sobre si própria.

Tive o privilégio de ver as mudanças sucederem-se a um ritmo verdadeiramente "alucinante", em particular nos últimos 15 anos.

Coincidência ou não, essas mudanças coincidiram com a vitória do (polímico) ex-presidente da câmara socialista Defensor de Moura (actualmente deputado da AR).

Para a história ficam exemplos de decisões arrojadas para a época (há mais de década e meia) que, contra opiniões de "velhos do Restelo", levaram a que fosse criado um extenso parque de estacionamento subterrâneo, ao longo de uma das maiores avenidas de Viana (nas fotos, com o templo de Stª Luzia, no alto, e o Rio Lima, lá ao fundo), permitindo a criação de condições para que uma série de zonas pedonais se transformassem num grande "shoping ao ar livre", onde muitos forasteiros e turistas (principalmente espanhóis), animam ruas e lojas.

Sem dúvida um bom exemplo a seguir, principalmente por quem tem o poder de decidir quais as opções estratégicas para o desenvolvimento de uma cidade.

18.01.10

Investimentos do QREN

Manuel Alberto Pereira

Google earth - Vale do Caima, "Açude das Penas" - Palmaz

O Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) é sem dúvida uma das últimas oportunidades de Portugal se poder "aproximar" dos seus parceiros europeus, investindo na melhoria dos seus recursos, humanos e naturais.

Entre nós, são vários os investimentos que terão o seu apoio, sendo um deles a requalificação das margens do Rio Caima em Palmaz, onde outrora milhares de forasteiros usufruiram das suas águas e sombrosas margens.

Com o passar dos anos, a degradação é óbvia e a beleza que ainda resta tem sido "abandonada", pelo que este investimento é bem vindo e esperemos que seja devidamente rentabilizado. Porém, persistem dúvidas pois ali mesmo ao lado labora uma a pedreira a céu aberto, como se pode ver na imagem.

Por isso, cá ficam as perguntas: Com tantos "milhões" investidos nas margens do Caima, iremos continuar com a montanha "esventrada"? Será compatível um  Vale "mutilado" com uma zona turística que se quer de qualidade?

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Loureiro

Oliveira de Azeméis

Religião

Política

Europa

História & Património

Música

Diversos

Meteorologia

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D