Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

lavoura

Este blog é um espaço de debate e partilha de opiniões. Não te esqueças que o sustento do Homem provém da lavoura. Lança a semente, cultiva-a, ela te saciará...

lavoura

Este blog é um espaço de debate e partilha de opiniões. Não te esqueças que o sustento do Homem provém da lavoura. Lança a semente, cultiva-a, ela te saciará...

29.08.10

Apostar mais no comboio

Rui Luzes Cabral

Estes dias ficou-se a saber que foi novamente adiada a electrificação da Linha do Douro até ao Marco de Canavezes. Eu concordo com o TGV mas ao ver o abandono a que chegaram algumas linhas, não posso ficar indiferente. É preciso mais investimento no carril tradicional, transporte mais amigo do ambiente.

 

Há semanas em conversa de café dizia um conhecido, que com o preço do petróleo e com a necessidade cada vez maior de deslocação de bens ainda se vão converter algumas auto-estradas em linhas. Isso já não acredito. Acredito sim, que é preciso olhar para este problema a sério.

 

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

26.08.10

Inundações no Paquistão

Manuel Alberto Pereira

Infelizmente, um dos melhores exemplos da máxima: "uma desgraça nunca vem só".

Já não bastavam os sucessivos problemas associados ao terrorismo no Paquistão. Desde há um mês que este país se vê a braços com as piores inundações dos últimos 80 anos que deram origem ao maior lago de água doce do planeta e já causaram a morte a cerca de 1600 pessoas (muitas das quais vítimas de cólera) e afectam entre 15,5 e 20 milhões de pessoas.

Ainda por cima, há fortes reserva no apoio prestado pelas NU, uma vez que os atentados terroristas são uma "sombra" que paira sobre os voluntários das organizações que se empenham em ajudar este povo.

17.08.10

O artificialismo de Pedro Passos Coelho

Rui Luzes Cabral
Pedro Passos Coelho incitou Sócrates a pensar se tinha condições para permanecer no cargo, dizendo que até 9 de Setembro se podiam convocar eleições antecipadas. Realmente é como disse Jerónimo de Sousa, um tiro de pólvora seca. Se PPC e o PSD consideram que isto está assim tão mau, que assumam e lancem eles uma Moção de Censura ao Governo. Agora, não andem é só a falar para as televisões em tempos de férias e façam política responsável. Se querem eleições, pois consideram que o país não pode esperar mais, têm então até ao dia 9 de Setembro para o fazerem.

Será que é com este líder que o PSD vai ganhar eleições?
Enviado do meu BlackBerry® da tmn
14.08.10

Prosseguir a Regionalização "Invisível"

Rui Luzes Cabral

O Referendo foi há 12 anos, o Não venceu mas a Regionalização "Invisível" como eu lhe chamo prosseguiu o seu caminho, via CCDR'S, que são 5. Por exemplo, Oliveira de Azeméis, na saúde, para se adaptar a essa realidade passou de ser tutelada pelo Centro e agora faz parte da ARS Norte, mas este é só um exemplo. Todas as extensões do Estado, à excepção da Segurança Social e das Finanças têm acompanhado esta "Regionalização" sem referendo. A estocada final, acontecerá quando PS e PSD chegarem a um acordo sobre a matéria. Depois marcam um referendo só para cumprir calendário. Apesar de não gostar deste tipo de procedimentos, não é desses meandros negociais e de fazer política que hoje aqui quero focar. O repto que aqui quero lançar é o seguinte: reformule-se ou transforme-se os actuais 18 Governadores Civis em 5, ou seja, um Governador Civil por cada CCDR. Já que a Regionalização tem avançado no papel, que avance também esta medida. Ou será que isso significa a não colocação de menos ex-presidentes de Câmara ou menos candidatos a deputados que não foram eleitos, etc..., etc.... Enviado do meu BlackBerry® da tmn

13.08.10

Quem é, ou quem são os grandes responsáveis deste e de outros crimes patrimoniais no Iraque?

Rui Luzes Cabral

"Há sete anos mataram a história do Iraque. Foi só uma entre várias mortes, mas foi dura. Hoje, o Museu do Iraque está moribundo. Reaberto, é certo. Mas moribundo. Um Museu doente. Um país a que mataram a história também. Muhsin Hassan Ali, Vice-Director do Museu do Iraque. Jornal Público, 11 Agosto. Enviado do meu BlackBerry® da tmn

12.08.10

Todos somos chamados a contribuir para um Portugal melhor...

Rui Luzes Cabral

IMG00202-20100727-1620.jpg

Porque que é que não são aviões públicos a combater os incêndios? Porque é que não cabe à Força Área essa responsabilidade, de gerir os meios aéreos no combate aos incêndios? Não vejo com muito bons olhos empresas privadas de aviões serem contratadas. Não desconfio de ninguém, mas para estas empresas, o que é mais vantajoso? Haver ou não haver incêndios? Temos, por isso o dever de criar condições para que o Estado seja o responsável a 100% neste combate. Porque é que não há novamente a obrigatoriedade de cumprir um serviço público ao Estado, homens e mulheres militares para ajudar causas. Em vez de pegarem em armas e granadas, porque não ajudarem nestas catástrofes. A recruta poderia ser formação nestas áreas e assim dava-se uma ocupação útil aos militares. Este ano de voluntariado militar, até podia ser o 13 ano do secundário, tipo um ano de paragem nos estudos, um ano de trabalho à comunidade. Estado expropriar proprietários que não cuidem da parte da floresta que lhes pertencem é uma medida excelente. Isto sim é uma MEDIDA. Se esta grande ideia tomar forma de Lei, acabamos com o relaxamento de alguns proprietários e responsabilizamos quem detém a terra. A terra não é para estar abandonada, a terra é para produzir e, se não o for, pelo menos que esteja limpa. Os terrenos limpos são esteticamente mais agradáveis e previnem a propagação dos fogos. Ah, e não colonização as vias públicas. Ser político serve também para isto. Criar condições de sustentabilidade e defesa do nosso ambiente. E atenção, é preciso vigiar muito bem as fugas aos PDM'S municipais e ordenamento urbanístico que em Portugal é com facilidade (para não dizer corrupção ou favorecimento) alterado. Mas tenho esperança nos jovens políticos. A ver vamos se conseguem ser imunes às tentações do poder pelo poder e do materialismo. Um político, assim como um padre, um médico, e outras vocações (e não profissões) do género deverão ser um serviço e não um meio para a vida fácil e fortuna. Precisamos também de eleitores mais preocupados em escolher bem, em detrimento de colocar nos cargos quem poderá arranjar emprego para o filho ou desbloquear um dossier menos claro à luz da Lei. Todos somos chamados a contribuir para um Portugal melhor... Enviado do meu BlackBerry® da tmn

10.08.10

Mentes como a areia

Rui Luzes Cabral

"Até Deus está contra nós. Envia-nos calor e seca, como os americanos trouxeram o urânio empobrecido e abriram as fronteiras para deixar entrar os terroristas e garantir que não chegavam à América. Um dia, o Iraque vai ser só deserto. A Mesopotâmia verde vai tornar-se no Sara. E o deserto vai trazer extremistas. Só vai haver deserto e céu. Nenhuma beleza. Nem uma árvore. E as mentes dos que tiverem ficado vão tornar-se como a areia, que parece mole mas não se pode engolir. O Iraque vai ser um deserto de terra e pensamentos." Hamed al-Maliki, escritor e dramaturgo iraquiano, hoje no Jornal Público, pág. 14 e 15. Os dois extractos deste escritor iraquiano mostram bem o que toda a gente já sabe. A invasão do Iraque foi precipitada e feita só a pensar no petróleo que lá existe. Bush preocupado com o sofrimento do povo e falta de democracia? Não me parece. Nem tampouco armas de destruição maciça. Haja uma ONU forte e justa, com sede em África e uma Europa interventiva e defensora dos verdadeiros valores humanistas. Enviado do meu BlackBerry® da tmn

10.08.10

"Tínhamos um Saddam antes de 2003, agora temos 100"

Rui Luzes Cabral

"Tínhamos um Saddam antes de 2003, agora temos 100. Toda a gente quer ser profeta, califa. Uns já se vêem, outros ainda não. Se os americanos saírem, então vamos ver os milhares de Saddam que há por aqui. Eu tinha medo no tempo de Saddam. Havia uma linha vermelha muito grande. Mas eu conhecia a fronteira. Agora temos muitas linhas vermelhas. Traçadas dentro do Iraque e mesmo nos países à volta. Há um grande processo de assassínio no Iraque. Mas não conhecemos o assassino e a defesa é impossível." Hamed al-Maliki, escritor e dramaturgo iraquiano, Jornal Público de hoje, pág. 14 e 15. Enviado do meu BlackBerry® da tmn

09.08.10

Experiência artigos via telemóvel

Rui Luzes Cabral
Olá caros amigos do lavoura. Sei que agora as minhas actualizações não têm sido muitas e os outros lavradores são um pouco preguiçosos neste cultivo. Já tenho o facebok, o messenger, os emails e o twitter no telemóvel. Vamos ver se consigo também actualizar o lavoura com o meu BlackBerry. Um abraço
Enviado do meu BlackBerry® da tmn

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Loureiro

Oliveira de Azeméis

Religião

Política

Europa

História & Património

Música

Diversos

Meteorologia

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D