Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

lavoura

Este blog é um espaço de debate e partilha de opiniões. Não te esqueças que o sustento do Homem provém da lavoura. Lança a semente, cultiva-a, ela te saciará...

lavoura

Este blog é um espaço de debate e partilha de opiniões. Não te esqueças que o sustento do Homem provém da lavoura. Lança a semente, cultiva-a, ela te saciará...

Crise da Democracia?

A contradição nas nossas sociedades não resulta apenas do fosso entre a cultura e a economia, resulta do próprio processo de personalização, de um processo sistemático de atomização e de individualização narcísica: quanto mais a sociedade se humaniza, mais o sentimento de anonimato se estende; quanto mais há indulgência e tolerância, mais aumenta a falta de segurança do indivíduo em relação a si próprio; quanto mais se prolonga o tempo de vida, mais medo se tem de envelhecer; quanto menos se trabalha, menos se quer trabalhar; quanto mais os costumes se liberalizam, mais avança a impressão de vazio; quanto mais a comunicação e o diálogo se institucionalizam, mais sós se sentem os indivíduos, e com maiores dificuldades de contacto; quanto mais cresce o bem-estar, mais a depressão triunfa.

Mais grave ainda aos olhos de D. Bell, o hedonismo está na origem de uma crise espiritual susceptível de levar ao abalo das instituições liberais. O hedonismo tem como efeito enelutável a perda da civitas, o egocentrismo e a indiferença pelo bem comum, a ausência de confiança no futuro, o declínio da legitimidade das instituições. (…)
 
«É nestas circunstâncias que as instituições tradicionais e os procedimentos democráticos de uma sociedade se desmoronam e que se afirmam cóleras irracionais acompanhadas pelo desejo de ver surgir um homem providencial que salve a situação.»
 
in “LIPOVETSKY, Gilles – A Era do Vazio, págs. 119 e 120

A evolução em Loureiro

Estamos em Loureiro, terra previligiada pelos loureirenses que a habitam e que nela nasceram. Saio de casa, deparo com o simpático largo do Faial e descubro os caixotes do lixo completamente cheios, a vomitar porcaria. Embora já seja obrigatório pagar a taxa do lixo em Loureiro em zonas, como o Faial, onde infelizmente ainda não existe água de rede pública nem saneamento básico.

A recolha do lixo em Loureiro continua a ser um serviço realizado de uma forma muito deficiente, que pouco honra a população servida.

Pluralidade activa ou divergências insanáveis?

 

“Nem quero imaginar o que se escreveria sobre o anterior líder social-democrata se ele, em escassas seis semanas, não tivesse divulgado uma proposta, estivesse em hibernação enquanto os camiões bloqueavam o País e culminasse tal período de ausência com a pomposa declaração de que o casamento era um magistério virado em exclusivo para a procriação!” Luís Filipe Menezes no DN – Ler artigo completo aqui

 

“Dentro do mesmo partido, o candidato derrotado nas últimas directas do partido (Pedro Passos Coelho) não concorda com a estratégia definida por Manuela Ferreira Leite (de não apresentar para já propostas alternativas às do Governo) e não gostou que os seus mais próximos colaboradores tivessem sido excluídos dos cargos de direcção do Instituto Sá Carneiro.” Sol online - Ler notícia completa aqui

 

Deus nos livre de tal coisa mas todos podemos ter de passar por isto. Refiro-me ao estado em que está o PSD, facto que não é nada bom para a imagem da classe política. Não vivo bem com o mal dos outros e situações como esta são muito, muito más para a credibilização daqueles que nos governam ou têm intenções disso. Julgo que a corda está muito esticada e pior que isto só a cisão. PS e CDS não têm ido tão longe na “pluralidade” interna mas mais hoje, mais amanhã isso pode acontecer. Talvez no PCP e no Bloco seja mais difícil assistirmos a tais “lutas”. Uns estão no oito, os outros no oitenta.

Há posições que não entendo

 

“O PCP ficou hoje isolado durante um debate parlamentar sobre a libertação da ex-candidata presidencial colombiana Ingrid Betancourt, que estava refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), escusando-se a condenar essa organização e contestando que seja terrorista. Os comunistas foram, assim, os únicos a votar contra o documento proposto pelo PS, PSD e CDS-PP e aprovado pelos restantes partidos.”

 

Foi há poucos dias que aconteceu esta tomada de posição que não entendi. Se o comunismo é isto, não obrigado. E é por isso que Saramago depois de ler este artigo de Miguel Urbano Rodrigues (noticiado também no Diário de Notícias) se irritou e muito bem.

 

Estes tipos são tudo menos de esquerda.

 

Eu tenho vergonha que eles usem essa palavra para se definirem ideologicamente.

 

"Era o supremo encanto da merenda"

De Tarde

 

Naquele pic-nic de burguesas,
Houve uma coisa simplesmente bela,
E que, sem ter história nem grandezas,
Em todo o caso dava uma aguarela.

Foi quando tu, descendo do burrico,
Foste colher, sem imposturas tolas,
A um granzoal azul de grão-de-bico
Um ramalhete rubro de papoulas.

Pouco depois, em cima duns penhascos,
Nós acampámos, inda o sol se via;
E houve talhadas de melão, damascos,
E pão-de-ló molhado em malvasia.

Mas, todo púrpuro, a sair da renda
Dos teus dois seios como duas rolas,
Era o supremo encanto da merenda
O ramalhete rubro das papoulas.

Cesário Verde (1855 - 1886)

Os ressentimentos de Campos e Cunha

Saiu uma nova tomada de posição da SEDES (Estado da Nação), na qual acusa o governo de ceder ao calendário eleitoral de 2009. Se há coisa pela qual este governo não deve ser acusado é por isso. Mas enfim, parece que o antigo ministro das finanças ou ficou ressentido ou não vive em Portugal.

 

“A aproximação das eleições de 2009 – europeias, legislativas e autárquicas – tem tido consequências claras e visíveis na vida política portuguesa. O Governo, após três anos de esforços de estabilização orçamental e de várias reformas que exigiram coragem política, dá agora sinais de preocupação com o calendário eleitoral em detrimento da administração do País. São disso exemplos a declaração do fim da crise orçamental, a ênfase nos investimentos públicos de grande dimensão, a cedência à agitação social e as recentes baixas de impostos.” Excerto do inicio da tomada de posição da SEDES.
Manuel Alegre, que tem sido crítico deste governo em algumas áreas da governação também já veio defender o governo e dizer que a SEDES parece que se está a deixar seduzir pelo PSD de Manuela Ferreira Leite.
E o insuspeito Basílio Horta do CDS, “qualificou hoje de “injustificadas e imerecidas” as críticas feitas pela Sedes segundo as quais o Governo “dá agora sinais” de preocupação com o calendário eleitoral em prejuízo da administração do país. “É uma crítica fácil, sobretudo num momento internacional difícil, em que os operadores (empresas e trabalhadores) não merecem”, disse à Lusa o responsável pela Agência Portuguesa para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).” Jornal Público

 

QUEM SOU?

Quem sou?
Frequentemente me dizem que
saí do confinamento de minha cela
tranquilo, alegre e firme
como um senhor de sua mansão de campo.
Quem sou?
Frequentemente me dizem
que costumo falar com os guardiões da prisão confiada,
livre e claramente,como se eu desse as ordens.
Quem sou?
Também me dizem
que superei os dias de infortúnio
orgulhosa e amavelmente, sorrindo,
como quem está habituado a triunfar.

 
Sou, na verdade, tudo o que os demais dizem de mim?
Ou sou somente o que eu sei de mim mesmo?
Inquieto, ansioso e enfermo,como uma ave enjaulada,
pugnado por respirar, como se me afogasse,
sedento de cores, flores, canto de pássaros,
faminto de palavras bondosas, de amabilidade,
com a expectativa de grandes feitos,
temendo, impotente, pela sorte de amigos distantes,
cansado e vazio de orar, de pensar, de fazer,
exausto e disposto a dizer adeus a tudo.
 

Quem sou? Esse ou aquele?
Um agora e outro depois?
Ou ambos de uma vez?
Hipócrita perante os demais
e, diante de mim mesmo, um débil acabado?
Ou há, dentro de mim,algo como um exército derrotado
que foge desordenadamente da vitória já alcancada?

 
Quem sou?
Escarnecem de mim essas solitárias perguntas minhas;
seja o que for,
Tu o sabes, ó Deus: sou Teu!
 
Dietrich Bonhoeffer
(traduzido do inglês)
 

Pág. 1/2