Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

lavoura

Este blog é um espaço de debate e partilha de opiniões. Não te esqueças que o sustento do Homem provém da lavoura. Lança a semente, cultiva-a, ela te saciará...

lavoura

Este blog é um espaço de debate e partilha de opiniões. Não te esqueças que o sustento do Homem provém da lavoura. Lança a semente, cultiva-a, ela te saciará...

O 31 de Janeiro de 1891

 

Gravura de Louis Tynayre que representa a Guarda Municipal a atacar os revoltosos entrincheirados no edifício da Câmara Municipal durante a Revolta republicana do Porto. Publicada na Illustração, revista universal impressa em Paris, 1891, vol. 8
 
A primeira tentativa da implantação da República em Portugal aconteceu no Porto há 118 anos e, nessa altura não vingou. Só a 5 de Outubro de 1910 é que a monarquia cairia. Ver aqui texto publicado o ano passado no lavoura.

 

O mundo anda louco

O mundo anda loucamente depressivo.

Que fazer? Já que à crise, nada a consegue conter!
Parece que esta bola carece de juízo,
Onde anda? Aonde pára o bom senso?
Onde fica? Onde está o juízo dos inteligentes?
 
O mundo anda com problema de fígado!
Muita bílis, muito fel, muita fealdade!
Rancor, ressentimento, falta o verdadeiro sentido crítico!
As vicissitudes hepáticas não dão oportunidade
à tolerância e à coragem para o entendimento.
 
O mundo anda louco, perdido dentro de si!
Já que não consegue sair fora de si.
Sair para se conhecer, para respirar
fora da lama onde se encontra a chafurdar.
 
Urge olhar para fora de nós, para o que nos transcende!
Procura-se cardiologista que ofereça um coração de carne,
que retire o coágulo fétido de dor do homem só.
Procura-se coração quente, onde circule o que torna o homem gente,
A solidariedade, a tolerância, a liberdade, a amizade, enfim o amor.
 
Os meus leitores estão a pensar… lá caiu o rapaz num lugar comum,
Pois! O amor, vulgaridade em qualquer aprendiz de escritor.
Mas acredito, tenho fé! Que este amor que não é vulgar nem comum em muitos lugares, será ELE O AMOR, que nos fará transcender, ser gente!
 
Será este AMOR que dará a serenidade necessária para erguer as pontes necessáriasao projecto, que no íntimo de cada ser humano
o anima; o projecto de ser feliz!
 
O mundo louco não conhece Deus, mas só Deus que nos ama loucamente continua a revelar-se de uma forma serena e constante,
na fé e na esperança que o amor faça,
em cada ser humano, surgir gente com coração de carne!
 
Inspirados em Deus Amor, sejamos gente de coração quente!

Há 10 anos...

Faz hoje 10 anos que publiquei o meu primeiro artigo num jornal, neste caso, um texto de opinião no jornal “A Voz de Azeméis”, página 2. Iniciava então a minha colaboração como correspondente de Loureiro neste semanário. Abaixo estão as imagnes da primeira página e da página 2 do referido jornal e o texto em questão.

 

 

 

Oliveira de Azeméis: 200 anos de vila e concelho. Devíamos saber?

Quando o "stress" do dia – a - dia nos envolve, somos como que escravos dos problemas que surgem e o presente ocupa-nos demais para pensar nas noticias que são publicadas nos jornais. E quanto mais existem menos as absorvemos, é o grande problema dos dias de hoje. Tudo é um repente, uma passagem curta e dinâmica, uma correria, por isso, é preciso não desperdiçar o dia de hoje.

 

Isto para dizer que no passado dia 5 de Janeiro de 1999, Oliveira de Azeméis comemorou duzentos anos como vila e como concelho. Sei-o através da imprensa, a qual fez referência a esta data. Mas se a imprensa ou os mais curiosos que nela trabalham não nos alertas sem a todos, deveríamos saber que Oliveira de Azeméis é vila e concelho há dois séculos? Eu pessoalmente não sabia desta realidade e estudei nesta cidade durante 9 anos. Não vi referência a tal data por distracção minha ou por falta de informação. Se não sou eu a lembrar-me do meu aniversário, serão os meus amigos? Mas se isso acontecer é sinal que os outros lembram-se mais de mim que eu próprio, o que é grave. Não saber quando se festeja o nascimento sucede por ignorância ou por desleixo...

 

O que aconteceu em Oliveira de Azeméis foi um pouco isto, ou seja, o presente político é mais importante e os nossos dirigentes ocupam o tempo (e mesmo assim não chega) envolvidos no tal "stress" de que falei atrás e a correria momentânea apaga as memórias que nos criaram. Aconteceu em Oliveira de Azeméis, acontece noutras localidades e é a errar que se aprende. Vamos ver se a partir de agora alguém que não seja só da imprensa torne os factos e os homens da nossa praça lembrados pela nobre história que em certos momentos foram lançando na tela da vida.

 

No jornal "A Voz de Azeméis" de 31/12/98 o Dr. Albertino Pardinhas relata de forma clara três intervenientes que fizeram desta cidade vila e concelho: D. Maria I (1734-1816) que no Palácio de Queluz em documento de 05 de Janeiro de 1799 atribuiu à nossa actual cidade o estatuto de vila e concelho; O Príncipe D. João que na altura assinou o alvará; e o Dr. José Seabra da Silva que fez pressão para que o dito alvará fosse assinado. Eu não conhecia o nome deste Dr. José Seabra da Silva e como eu muitos. Mas o que esperava é que a Câmara Municipal tivesse dado mais ênfase a estas pessoas e ,a esta data, o que pelos vistos não sucedeu. As comemorações no dia certo, restringiram-se a um concerto no cine - teatro Caracas por uma Banda Musical e por uma sessão solene, no salão nobre da Câmara.

 

Então, e os cidadãos das restantes freguesias? Será que destas “grandes” comemorações tiveram conhecimento? Será que nelas participaram? Que isto sirva de emenda para o futuro e saibamos conciliar o presente com o passado e o presente com o futuro. Só com uma política interdisciplinar conseguimos equilibrar os pratos da balança: a história, a economia, a política, a cultura...

 

Contudo, será que os acontecimentos mais importantes para assinalar esta data vão-se prolongar até ao dia 5 de Janeiro do próximo ano e o melhor ainda está para vir? V amos esperar para ver.

 

Tudo é um repente, uma passagem curta e dinâmica, uma correria, por isso, é preciso festejar hoje pois amanhã já passou...

...e o dia 5 já lá vai.
 
Rui Luzes Cabral, 28 de Janeiro de 1999, Jornal "A Voz de Azeméis"

VATICANO NO YOUTUBE

O Vaticano está presente no Youtube em www.youtube.com/vatican desde sexta-feira passada com um canal próprio, onde transmitirá vídeos diários de notícias relacionadas com o Papa e com o que acontece no Vaticano. O serviço está disponível em inglês, espanhol, alemão e italiano.

“Na mensagem de boas vindas aos utilizadores do YouTube, Bento XVI diz esperar que esta iniciativa seja posta “ao serviço da verdade” e sirva para promover a compreensão e solidariedade humana. O Pontífice da Igreja Católica considera que “estas tecnologias são uma verdadeira bênção para a humanidade: por isso temos que assegurar que as vantagens que oferecem são postas ao serviço de todas as pessoas e comunidades”. Referido na imprensa do Vaticano como um verdadeiro “fã das novas tecnologias”, Bento XVI não deixa de alertar os jovens para “fazerem uma utilização sensata e evitar uma obsessão pelo online que os pode isolar da vida real, da família e dos amigos”.


Segundo a BBC News, a entrada do Vaticano nos novos media levantou um debate entre alguns sectores da Igreja Católica que questionam o valor da internet como uma ferramenta missionária. O Arcebispo Cláudio Celli, chefe do departamento de comunicação do Vaticano, apoia a iniciativa do Papa para se “aproximar da geração digital” e não exclui a hipótese de um dia o Estado católico criar o seu espaço no Facebook.” (Jornal Público 24/01/2009)

 

Nacionalizar

- A Qimonda, empresa de Vila do Conde, emprega mais de 1800 trabalhadores e é aquela que mais exporta. A empresa “mãe” na Alemanha está em processo de insolência e pode estar em risco a nossa “filial”. Só há uma solução a meu ver: Nacionalização. Depois disso o Estado que a tente vender e, se o conseguir, não injectará só milhões mas pode até arrecadar algum dinheiro com a transacção.

 

- Só com as polémicas que estes dias vieram a público devido à intenção dos responsáveis da Linha Saúde 24 em não renovarem os contratos de trabalho com alguns trabalhadores (enfermeiras e enfermeiros) é que percebi que aquele serviço não pertence ao Ministério da Saúde mas sim a uma empresa privada. Não percebo porquê. Mais vale nacionalizar, até porque é um daqueles serviços que faz todo o sentido estar nas “mãos” do Estado.
- Já aqui se falou neste caso. Mas qual é a vantagem de existir uma empresa privada chamada Lusoponte para gerir 2 ou 3 pontes em Lisboa e complicar a vida aos governos? A meu ver lucraríamos muito mais se fosse uma empresa pública.

“São Obama”

 

Capa DN, 21 Janeiro 2009
Barack Obama está a ser tratado como uma entidade vinda do Céu à Terra para restaurar o bem, “endireitar” as nações, trazer felicidade aos Homens e conseguir uma solução que viabilize ambientalmente o planeta. Até ele está assustado perante quem deposita nele tanta esperança, pois já referiu que também errará.
Mas antes esta euforia que suscita do que a apatia ou a invisibilidade que muitos políticos experimentam. Ainda bem que um político é tão esperado, é tão acarinhado. Compreende-se também devido a quem o antecedeu na presidência dos EUA. Se depois de Bush, outro “Bush” viesse, ai dos americanos, ai de nós que poderíamos sofrer os estilhaços de tamanha embriaguez governativa.
Que realmente, Barack Hussein Obama, seja um dia elevado aos altares. Será bom sinal. Deus o abençoe.

Site transparência

Um amigo enviou-me um mail onde indica o site transparência que cada um de vós poderá consultar! Neste site está uma síntese sobre algumas obras executadas por instituições públicas, sem concurso público, isto é por ajuste directo.

Poderão pesquisar, por exemplo por Oliveira de Azeméis e descobrirão o custo de algumas obras ou actividades pela câmara municipal. A câmara municipal não tem dinheiro mas gasta uma pequena fortuna (18000 euros + 7500 para o fogo de artifício) para inaugurar a praça da cidade, que já deveria estar inaugurada à mais de 4 anos.

O site em questão apresenta algumas lacunas mas é um bom indicador do estado das nossas instituições públicas quanto ao dinheiro que não têm mas que gastam.

Deveria ser...

A política é mais do que uma profissão, é uma vocação de serviço. Quem se reserva para servir na forma e nos termos que lhe agradam diminui a política e não merece uma especial simpatia. Vasco Pulido Valente, Público, 10 de Janeiro 2009, última página (44).

Pág. 1/3